Ex-muçulmana e ateia, a famosa escritora Ayaan Hirsi Ali se converte ao Cristianismo

  • 17/11/2023
Ex-muçulmana e ateia, a famosa escritora Ayaan Hirsi Ali se converte ao Cristianismo
Ex-muçulmana e ateia, a famosa escritora Ayaan Hirsi Ali se converte ao Cristianismo (Foto: Reprodução)

O anúncio recente de que a celebrada autora e ativista Ayaan Hirsi Ali se tornou cristã lembrou a história de C.S. Lewis, que também se converteu ao Cristianismo depois de décadas professando o ateísmo.

Andy Bannister, diretor do Centro Solas para o Cristianismo Público, uma organização focada em comunicar de forma persuasiva a mensagem de Jesus, disse que sentiu um “choque” ao saber que Ali se voltou à fé cristã.

E há motivo para o choque de Bannister: Ali é uma figura pública intelectual renomada, autora e feminista, conhecida também como uma fervorosa ateia. Ela também é ex-muçulmana, e se tornou uma crítica contundente do Islã.

Suas críticas foram motivadas por suas experiências pessoais marcadas pelo ódio e pela violência, tanto vivenciadas em primeira mão quanto extraídas dos textos centrais do Islã, segundo detalhou em seu livro "Infiel".

Após publicar “Why I am now a Christian” (Por que agora sou cristã, em tradução livre), Ali expõe o motivo de agora se considerar cristã. “Parte da resposta é global”, diz.

“A civilização ocidental está sob ameaça de três forças diferentes, mas relacionadas: o ressurgimento do autoritarismo e do expansionismo de grande poder nas formas do Partido Comunista Chinês e da Rússia de Vladimir Putin; a ascensão do islamismo global, que ameaça mobilizar uma vasta população contra o Ocidente; e a disseminação viral da ideologia woke, que está consumindo a fibra moral da próxima geração”.

E continua: "Não podemos resistir a essas forças formidáveis a menos que possamos responder à pergunta: o que é que nos une? A resposta de que 'Deus está morto!' parece insuficiente. Da mesma forma, a tentativa de encontrar consolo na 'ordem internacional liberal baseada em regras' também. A única resposta crível, acredito, está em nosso desejo de manter o legado da tradição judaico-cristã."

Ingressando no ativismo

Ali nasceu na Somália, mas cresceu em Nairobi, em uma família muçulmana.Durante sua adolescência, a Irmandade Muçulmana se infiltrou em sua comunidade. Até então, a religião para Ali era apenas um ritual sem vida.

"Os pregadores da Irmandade Muçulmana mudaram isso. Eles articularam uma direção: o caminho reto. Um propósito: trabalhar para a admissão no paraíso de Alá após a morte... A característica mais marcante da Irmandade Muçulmana foi sua capacidade de transformar a mim e aos meus colegas adolescentes de seguidores passivos a ativistas, quase da noite para o dia. Não apenas dizíamos coisas ou orávamos por coisas: fazíamos coisas."

Mas, em seguida, ocorreram os ataques às Torres Gêmeas e, enquanto Ali observava seus colegas muçulmanos celebrando o “11 de Setembro”, ela começou a questionar tudo o que sabia.

Ao dedicar-se à leitura intensiva, deparou-se com a renomada palestra do ateu Bertrand Russell, intitulada "Porque não sou cristão". Essa leitura confirmou sua suspeita de que a religião era impulsionada pelo medo e, assim, com uma sensação de libertação, ela se desvinculou das algemas do Islã.

(Foto: Reprodução)
Capa do livro "Infiel", de Ayaan Hirsi Ali. (Foto: Divulgação)

Bannister diz que Ali não apenas se tornou uma ateia, mas também uma crítica ferrenha do Islã. Seus ataques contundentes à sua antiga fé resultaram em ameaças de morte, levando-a a passar algum tempo escondida.

Duvidando do ateísmo

Apesar do crescente perfil público que ela estava adquirindo e do entusiasmo por se associar a outros Novos Ateus, incluindo Richard Dawkins e Christopher Hitchens, algo não estava certo, conta Bannister.

“Com o tempo, Ali começou a duvidar de seu ateísmo. Inicialmente, essa dúvida surgiu de sua preocupação de que o ateísmo pudesse não oferecer ao Ocidente os recursos necessários para enfrentar seus inúmeros desafios culturais e civilizacionais”, diz.

Pessoalmente, Ali também começou a sentir um vazio profundo devido ao ateísmo e compartilhou:

"Tornei-me cristã porque finalmente percebi que a vida sem qualquer consolo espiritual é insuportável - na verdade, quase autodestrutiva. O ateísmo não conseguiu responder a uma pergunta simples: qual é o significado e o propósito da vida."

Segundo Bannister, o anúncio surpreendente de Ali de que se tornou cristã, “é quase tão surpreendente como se Richard Dawkins tivesse ingressado no sacerdócio”.

Sobre a conversão

“As redes sociais se iluminaram como uma árvore de Natal: ateus desapontados acusaram Ali de traição; enquanto os cristãos – bem, alguns se alegraram, mas outros pediram cautela [dizendo]: ‘Espere um momento, a conversão dela não é um pouco… insípida?’ Observa-se que em sua história de conversão, o nome de Jesus nunca é mencionado. Entendo essa hesitação e tenho alguma simpatia por ela, especialmente porque compartilho das preocupações em relação às conversões de celebridades. No entanto, gostaria de fazer algumas observações”, diz Bannister.

O apologista cristão traz 3 razões para confiar na conversão genuína de Ali e justificar sua discrição, em certa medida:

1. A conversão de Ali não ocorreu em um vácuo, mas sim em um contexto de mudança no clima intelectual. Cada vez mais intelectuais públicos estão começando a falar positivamente sobre a fé, como é bem explorado no recente livro de Justin Brierley, ‘The Surprising Rebirth of Belief in God’. É importante assegurarmos que estamos respondendo às perguntas dos buscadores espirituais contemporâneos, em vez de atacar os moinhos de vento do passado”.

2. É fundamental lembrar que o caminho para a fé frequentemente é longo e sinuoso. Ali é uma cristã sangue puro? Claramente não. No entanto, da mesma forma que C.S. Lewis durante sua fase de conversão mais relutante, Ali ainda tem um longo caminho a percorrer.

Sinto-me encorajado por ela reconhecer isso ao escrever: “É claro que ainda tenho muito que aprender sobre o cristianismo. Descubro um pouco mais na igreja todos os domingos. Reconheci, na minha longa jornada através de um deserto de medo e insegurança, que existe uma maneira melhor de gerir os desafios da existência do que o Islã ou o ateísmo tinham para oferecer."

3. É crucial refletir sobre o alto custo do discipulado, especialmente para aqueles que fazem a transição do Islã para o Cristianismo, ainda mais para aqueles que transitam do Islã pelo Novo Ateísmo. Ali continua enfrentando ameaças de morte por parte de islâmicos e ataques online de ateus furiosos.

Anunciar publicamente sua conversão exigiu enorme coragem. Muitos de nós tiveram jornadas muito menos desafiadoras em direção a Cristo, então talvez seja apropriado demonstrar humildade. O que Ali precisa dos cristãos não são apenas argumentos teológicos, mas amor, apoio e encorajamento enquanto ela explora quem é Jesus.

Bannister pede para quer os cristãos se lembrem de orar pelos ateus. “E ore por aqueles que, como Ali, descobriram que, na ausência do Cristianismo, muitas coisas bonitas da nossa cultura que floresceram no solo do Evangelho começam a murchar.”

“Minha oração por Ayaan Hirsi Ali é que Deus também traga fortes amigos cristãos para sua vida, que possam celebrar com ela os passos que ela deu, mas também ajudar a encorajá-la no resto do caminho de volta para Jesus”, conclui.

FONTE: http://guiame.com.br/gospel/noticias/ex-muculmana-e-ateia-famosa-escritora-ayaan-hirsi-ali-se-converte-ao-cristianismo.html


#Compartilhe

Aplicativos


Locutor no Ar

Peça Sua Música

Para pedir Louvores - Oração ou Informação entre em contato conosco pelo whatsapp Diretor Geral

Top 5

top1
1. Mais um passo

Daniel e Samuel

top2
2. Saudade

Gabriel Sertanejo

top3
3. Caneta de Deus

Ninfa e Cálita

top4
4. Tempo de milagres

Tainara e Diuliano

top5
5. Ajoelhados

Daniel e Samuel

Anunciantes